Acompanhado do cachorro Galeto, casal viaja o mundo em uma Kombi

Foto: Anselmo Cunha

Se já não é fácil viver em um apartamento com um cachorro adulto, mescla de golden com labrador, pense como seria rodar o mundo com esse cão. E dentro de uma Kombi. A resposta é mais impactante do que o imaginado: o cachorro chamado Galeto é o menor dos problemas.

“Ele é muito tranquilo. Perrengue mesmo é a Kombi, que fundiu o motor no primeiro dia”, se diverte Vanessa Kapper, 31 anos, ao recordar do histórico assustador.

Vanessa e o namorado, Lorenzo Marques, 36, são os tutores de Galeto — e, porque não dizer, também do veículo de personalidade difícil, batizada de “Madalena”. O meio de transporte foi comprado e adaptado em 2018, em um investimento inicial de R$ 20 mil. Com os recursos modestos, foram feitos alguns consertos, a compra de um cooler e a colocação de armários. Atualmente, o carro já está na sua terceira versão: tem sofá-cama retrátil, fogão de duas bocas, pia com torneira, tomadas, chuveiro e frigobar, tudo sob medida. Os eletrônicos são alimentados por placas solares colocadas sobre o teto. Já uma mistura química manda embora os dejetos – sim, há uma privada, com tampa, no espaço de 3 m². Mas funciona sob regras.

“A gente só faz o “número um” na Kombi”, se adianta Vanessa.

Madalena nasceu de um desejo do casal, fã de viagens. Ambos estavam cansados do dia a dia: ele era servidor público em Brasília, e ela tinha uma loja em Santo Ângelo, região das Missões, noroeste do Rio Grande do Sul. Ao pedir demissão, Lorenzo voltou a morar em Santo Ângelo, conheceu Vanessa, ela vendeu o comércio e, seis meses depois, juntaram as economias para tentar a vida sobre rodas e muitos pelos do mascote.

Foto: Anselmo Cunha

“Não me arrependi sequer um minuto, ou um dia. Foi a melhor decisão que tomei na minha vida”, afirmou Lorenzo no programa Timeline Gaúcha, na manhã dessa quarta-feira (18).

Na primeira viagem mencionada, tiveram de ficar uma semana em São Borja, na Fronteira Oeste, à espera da retífica do motor. À época, jornais da cidade haviam noticiado a aventura prevista para superar os 20 mil quilômetros. Pararam na primeira centena, relembra o casal, às gargalhadas.

Em cinco anos, já foram 22 paradas para intervenção no “coração” do automóvel, um perrengue que ajudou a tornar as viagens mais interessantes aos seguidores do Instagram. A rotina, compartilhada pelo perfil Por Aí de Kombi, é acompanhada por 311 mil seguidores – marca da tarde dessa quarta-feira (18) -, em vídeos editados pelos próprios viajantes. A partir de convites, posts patrocinados, venda de produtos estilizados com a iniciativa e parcerias, a dupla consegue bancar o objetivo de rodar o mundo sobre rodas.

Madalena ganhará um sucessor

Galeto passou a caroneiro ainda filhote, na segunda trip realizada.

“Só não esperava que crescesse tanto”, mostra surpresa o tutor.

O animal dorme embaixo da cama, e só causa algum tipo de inconveniência quando os locais visitados não aceitam animais. A preferência, por óbvio, é ficar sob o teto metálico junto do animal.

Após a virada do ano, a Kombi e seus moradores pararam em Capão da Canoa, no Litoral Norte, onde a mãe de Lorenzo tem casa de veraneio. O odômetro do painel já ultrapassou 100 mil quilômetros desde sua aquisição – soma-se a isso o que havia sido rodado desde 1994, em incontáveis voltas a partir do dia em que saiu da fábrica da Volkswagen.

A lataria, amarela na parte inferior e branca na altura dos vidros, é decorada com adesivos da bandeira de inúmeros locais. Em uma das laterais, há uma lista de cidades, que são riscadas logo que visitadas: Machu Picchu, La Paz, Quito e deserto do Atacama estão nos destinos internacionais da América do Sul, enquanto que outras três dezenas de cidades brasileiras completam a lista, de Cambará do Sul aos Lençóis Maranhenses.

Em Santa Catarina, repousa o sucessor de Madalena, que está com a aposentadoria marcada. “Madalenão” é um ônibus escolar, ano 1989, popularmente conhecido como “school bus”, utilizado para levar a criançada ao colégio nos Estados Unidos. Tem mais de três vezes o tamanho da Kombi, e aguarda a obra de adaptação dos móveis para abrir caminho. A aquisição do Madalenão contou com a ajuda dos seguidores da rede social.

Foto: Anselmo Cunha

“Fizemos uma campanha do ‘pix de R$ 1’. Com isso juntamos os R$ 55 mil pra comprar o ônibus”, explica Vanessa, com o celular em mãos, exibindo também os braços tatuados com homenagens à casa itinerante atualmente ativa.

O que acontecerá com a pioneira da família ainda é um mistério, mas ela não será abandona, garantem. Alguns passeios são feitos no irmão mais novo, o Del Rey “Amadeu”, comprado por R$ 2,5 mil no ano de 2021. O Jalapão, no Tocantins, é um dos exemplos, visitado a bordo do Amadeu.

“Esse é ano 1986, gostamos de veículos não convencionais”, brinca mais uma vez a mochileira.

Fonte: GZH