Ceia vegana: chefe de cozinha indica cardápio sem alimentos de origem animal para o fim de ano

No lugar do peru, a chef dá a opção de um “tender vegano”, que não utiliza proteína animal e não fica devendo nada em relação ao sabor das ceias não-veganas (Filipe Bispo / O Liberal)

Por um Natal sem sofrimento!

As festas de Natal e Ano Novo estão próximas e, nesta época do ano, o símbolo central da celebração é a ceia. Mas, para aqueles que optaram pelo veganismo e não consomem alimentos de origem animal, alternativas são o que não faltam. De pratos salgados a doces, a chefe de cozinha Daniella Moraes, de Belém (PA), indica um cardápio variado sem proteína animal para o momento de celebração em família. A especialista em receitas veganas — que gerencia uma empresa especializada nesse tipo de culinária — conta que dá para aproveitar sem abrir mão do que se gosta.

No preparo da ceia, uma das opções é o tender vegano. A base é feita de lentilha e grão de bico. Como recheio, carne de jaca ou outra carne vegetal. E, ainda, pode ser decorado com laranja, abacaxi, legumes variados e ervas, como alecrim. Outras alternativas que também podem compor a mesa são receitas como moqueca de banana e fricassê de palmito, como indica a chefe de cozinha. Sabores regionais também entram nesse cardápio. Soja no tucupi e maniçoba vegana são algumas das apostas para serem apreciadas durante a ceia.

“O vegano não precisa abrir mão de nenhum prato que gosta ou daquele prato típico de Natal. Tem sempre uma adaptação a ser feita. Para montar uma ceia vegana, é importante levar em consideração, principalmente, o que se gosta de comer. A culinária vegana é muito rica e tem uma grande variedade de pratos, cores e aromas”, contou Daniella.

Petiscos veganos

Além dos pratos principais, uma das sugestões são os salgados sem proteína animal. Dentre os aperitivos com ingredientes vegetais estão a coxinha de jaca ou cogumelo, quiche sem glúten com massa de grão de bico. E, ainda, uma caponata de berinjela, é uma das dicas da chefe de cozinha. Para a hora da sobremesa, bolos e panetones veganos são alternativas da época. O recomendado, ainda, é utilizar ingredientes frescos durante o preparo.

“A escolha de cada prato é levar em consideração a memória afetiva, traços culturais e a demanda atual de procura dos clientes, levando sempre em consideração a não exploração animal e o cuidado com cada detalhe”, disse Marcella.

Sabores se mantêm

O período festivo pode ser um convite à culinária vegana para muitas pessoas. No entanto, para quem nunca apreciou essas receitas, à primeira vista pode ser motivo de estranheza. Marcella garante que, mesmo não possuindo proteína animal, o sabor pode encantar. “Em geral, a primeira impressão quando se experimenta a primeira vez é de surpresa, pois acham que deve ser sem graça e sem gosto. O que surpreende é que na verdade é maravilhoso e muito gostoso”, afirmou.

Benefícios

A dieta vegana também é muito rica em nutriente, segundo explica a especialista. “Temos todos os nutrientes necessários que uma dieta precisa. Cálcio, ferro, vitaminas em geral. A maior vantagem de uma alimentação vegana é proporcionar qualidade de vida e saúde. Principalmente por ser sabores variados, alimentação leve, balanceada, em que o corpo se beneficia com melhor desempenho para manter a resistência à doenças”, detalhou.

“A questão é que as carnes o consumo de carne é extremamente prejudicial ao organismo humano ao longo dos anos. É um dos maiores fatores de vários tipos de câncer, entre outros problemas de saúde. Já sobre a ótica da da espiritualidade, respeitamos os nossos irmãos animais e entendemos que merecem ser amados e que uma alimentação no modo da bondade, leve, rica em proteína, minerais e sem sofrimento é a melhor opção para o corpo e alma”, complementou.

Fonte: o liberal

5/5 - (2 votes)