Dez estados nos EUA proíbem a venda de cosméticos testados em animais

Foto: Ilustração | Pixabay

Nova York se tornou o décimo estado dos EUA a proibir a venda de cosméticos testados em animais depois que a governadora Kathy Hochul assinou uma lei na noite de quinta-feira (15).

Conhecida como Lei de Cosméticos Sem Crueldade, ela proíbe a venda e a fabricação de cosméticos testados em animais. A entrada em vigor está prevista para janeiro de 2023.

A nova legislação em Nova York segue uma ação semelhante tomada na Virgínia, Califórnia, Louisiana, Nova Jersey, Maine, Havaí, Nevada, Illinois e Maryland, de acordo com a Humane Society dos Estados Unidos.

“Durante décadas, animais indefesos foram submetidos a experimentos cruéis e dolorosos simplesmente para a criação de produtos cosméticos”, disse Linda Rosenthal, membro da Assembleia do Estado de Nova York, que patrocinou a medida, ao lado da senadora democrata Alessandra Biaggi.

“Ao mesmo tempo, os métodos de pesquisa evoluíram, tornando desnecessária a exigência de que os animais sejam submetidos a testes desumanos para ajudar as empresas a criar um novo rímel ou shampoo”, disse Rosenthal.

A Humane Society diz que métodos de teste modernos, como testes baseados em células humanas e modelagem de computador, podem substituir os testes em animais, que às vezes envolvem forçar repetidamente a alimentação de ratos ou pingar produtos químicos nos olhos de coelhos contidos.

“Com a crescente disponibilidade de métodos de teste sem animais e milhares de ingredientes existentes, não há desculpa para continuar prejudicando os animais por causa de produtos como xampu, loção pós-barba ou rímel”, disse Brian Shapiro, diretor do estado de Nova York para a Humane Society. em um comunicado de imprensa.

“Agora cabe ao Congresso aprovar a Lei de Cosméticos Humanitários para criar um padrão consistente para acabar com os testes de cosméticos em animais em todo o país”, continuou ele.

O Humane Cosmetics Act – que foi introduzido na Câmara em dezembro de 2021 – proibiria a venda e a fabricação de cosméticos testados em animais nos Estados Unidos.

Mais de 375 empresas se comprometeram a apoiar a legislação para uma proibição nacional, incluindo Walgreens, The Body Shop, Unilever, H&M e Paula’s Choice, de acordo com a Humane Society.

Em Nova York, foi uma semana monumental para os direitos animais. Hochul também assinou na quinta-feira uma legislação que proíbe as lojas de animais no estado de vender cães, gatos e coelhos a partir de dezembro de 2024.

As lojas de animais de Nova York terão um ano para aderir à nova lei, e os nova-iorquinos ainda poderão comprar cães de criadores responsáveis ​​depois que a lei entrar em vigor, de acordo com um comunicado da Sociedade Americana para a Prevenção da Crueldade contra os Animais

“Cães, gatos e coelhos em Nova York merecem lares amorosos e tratamento humano”, disse Hochul em um comunicado à imprensa.

Fonte: CNN